sáb. maio 15th, 2021

Abbas ainda está mentindo para os palestinos assim como Bolsonaro mente para Brasileiros

Compartilhe a Verdade!

Compartilhe a Verdade:


Abbas ainda está mentindo para os palestinos assim como Bolsonaro mente para Brasileiros

LEIA ATÉ O FINAL, POR FAVOR!

Palestinos seguram pôster do presidente palestino Mahmoud Abbas durante um protesto na Cidade de Gaza, Gaza em 20 de agosto de 2020

O presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, que sede aos comandos e interesses de Israel e EUA como uma boneco de ventríloquo colocando as vontades destes dois Países acima de seu povo, anunciou recentemente que aceitaria todos os resultados da conferência dos secretários-gerais das facções realizada no mês passado em Beirute. Eles incluíram o fim da divisão interna, a unidade entre todas as facções palestinas e a reestruturação da OLP para que o Hamas e a Jihad Islâmica em particular pudessem aderir.

Tais medidas são necessárias com urgência, afirmaram os secretários-gerais das facções, para enfrentar as ameaças contra a causa palestina que está no topo da normalização entre os Estados árabes e Israel, assim como o acordo americano do século, que é uma porta se abrindo para mais crimes de guerra contra o mundo árabe. O povo da Palestina e as facções estão esperando que isso aconteça. De acordo com o Hamas, depois que seus funcionários mantiveram reuniões bilaterais com o Fatah, um cronograma para a implementação dessas metas seria declarado antes do início de outubro. Funcionários do Fatah disseram que Abbas emitirá um decreto presidencial fixando a data das eleições após fazer seu discurso na 75ª reunião da Assembleia Geral da ONU. Abbas fez o seu discurso e hoje é 1 de outubro, mas não apareceu um calendário e nenhuma data de eleição foi anunciada.

Não acho que nada vai realmente acontecer porque Abbas, que dirige a OLP e o Fatah, assim como a AP, não leva a sério suas promessas aos secretários-gerais ou ao povo palestino de sua pátria. Há muitas evidências que sugerem que ele estava mentindo sobre o fim da divisão palestina, a união das facções e a reestruturação da OLP.

Abbas continua a usar seu braço armado na Cisjordânia – os serviços de segurança da AP – para controlar com força os pescoços palestinos no território ocupado. Ele ordenou que os serviços de segurança reprimissem seus oponentes dentro do Fatah e da própria Autoridade Palestina por causa de suas supostas ligações com seu rival, o ex-oficial sênior do Fatah e chefe de segurança Mohammed Dahlan.

Sob Abbas, a AP ainda está restringindo a liberdade das pessoas de protestar, mesmo contra a ocupação israelense. Ele controla o Conselho Judicial Superior de Transição, que formou como substituto do parlamento eleito livremente e para servir seus próprios interesses. Além disso, suas mãos ainda estão estendidas para a ocupação israelense, que continua matando palestinos, roubando seus recursos e demolindo suas casas, ao invés de estendê-los ao seu próprio povo.

Isso ficou muito claro em seu discurso na Assembleia Geral da ONU, onde enfatizou que deseja uma paz justa baseada na Iniciativa Árabe para a Paz e em resoluções internacionais. Israel está disposto e é capaz de alcançar essa paz hoje? Apoiado pelos EUA e pelo silêncio da comunidade internacional, Israel engoliu as terras dos palestinos e os direitos palestinos legítimos. Por que precisa dar alguma coisa a Abbas?

O governo da AP dirigido pelo primeiro-ministro Mohammad Shtayyeh continua a participar do cerco liderado por Israel que foi imposto aos palestinos na Faixa de Gaza desde 2007. A AP de Abbas não paga salários a milhares de seus empregados em Gaza; parou de pagar benefícios mensais a milhares de famílias pobres em Gaza; e não envia remédios e equipamentos médicos para hospitais em Gaza.

Primeiro-ministro palestino Mohammad Shtayyeh em Ramallah, Cisjordânia, em 9 de junho de 2020 [Agência Issam Rimawi / Anadolu]

Quando a ministra da Saúde da Autoridade Pallestina, Mai Keila, visitou o território sitiado no mês passado, o chefe do armazém central do ministério, Moneer Al-Borsh, disse a ela que seus funcionários em Ramallah enviaram apenas sete por cento das necessidades médicas de Gaza. Ele ressaltou que as prateleiras das farmácias do ministério em Gaza estão quase vazias.

Ontem, o ministro do Bem-Estar, Ahmed Majdalani, pediu que os salários dos funcionários da AP em Gaza que ainda estão sendo pagos por seu governo sejam cortados, alegando que eles não vão trabalhar. Ele estava mentindo. A maioria deles voltou aos seus empregos – tendo sido ordenados por Abbas anos atrás para ficar em casa e não trabalhar para o governo eleito do Hamas, embora ainda recebessem seus salários – algo que Majdalani e Abbas sabem muito bem porque o próprio presidente pediu-lhes que voltassem quando ele afirmou que queria acabar com a divisão em 2018 e enviou seu primeiro-ministro a Gaza.

O editor-chefe da Al-Ray News Agency em Gaza, Ismail Al-Thawabta, chamou as promessas feitas por Abbas de uma “miragem” a menos e até que seus efeitos sejam vistos de verdade. Isso incluiria o levantamento das sanções que Abbas impôs a Gaza e seu povo; pagar os salários dos funcionários da AP em Gaza, bem como os estipêndios pagos aos palestinos que foram feridos, prisioneiros e famílias de mártires; e pagar benefícios a famílias pobres, explicou.

Ele acrescentou que Abbas “deve parar a detenção política” na Cisjordânia ocupada e “acabar com outras violações”, enfatizando que o chefe da AP “está jogando poeira nos olhos dos palestinos por meio de seus discursos emocionantes”.

Em relação aos apelos de Abbas para retomar as negociações de paz com as autoridades de ocupação israelenses, no início desta semana o Observador Permanente da AP na ONU, Riyadh Mansour, observou que a missão da AP na ONU tomou medidas diplomáticas para realizar uma conferência internacional no início de 2021. Promessa de iniciar a implementação dessas mudanças antes do início de outubro, entretanto, simplesmente não se concretizou.

É óbvio que Abbas não tem nenhuma intenção real de servir à causa palestina. Isso ficou claro quando seus enviados concordaram com o Hamas em acabar com a divisão interna e formar um novo governo de unidade nacional. O primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu pediu que ele escolhesse entre o Hamas e Israel, então Abbas renunciou ao movimento de reconciliação e escolheu Israel.

Além do acima exposto, o Secretário-Geral do Comitê Central da Fatah, Jebril Al-Rajoub, que liderou a reaproximação com o Hamas, disse ontem que Abbas “não estabelecerá uma data para as eleições até que todas as facções concordem com a ação nacional”. Este foi o Fatah retrocedendo nas promessas de Abbas, porque Al-Rajoub começou a estabelecer condições onde não há lugar para eles, já que todas as facções palestinas já concordaram com uma ação nacional.

Se Abbas leva a sério sua intenção de cumprir as promessas feitas durante a conferência de secretários-gerais no mês passado, por que ele não viaja para Gaza e começa a trabalhar com o Hamas e outras facções palestinas que não podem viajar para a Cisjordânia ocupada por causa de o cerco? Abbas é dono de uma villa em Gaza que tem sido protegida por oficiais de segurança do Hamas desde o início da divisão política em 2007, então não vai custar praticamente nada para ele ir até lá.

No entanto, parece que ele está pronto para fazer qualquer coisa, exceto a reconciliação. Ele não quer dar ao povo da Palestina a oportunidade de escolher seus líderes porque não quer correr o risco de ter que desistir de uma ou mais de suas posições. Israel está feliz enquanto Abbas está liderando as principais instituições palestinas, já que ele não faz nada antes de receber instruções de Tel Aviv. De sua parte, parece que Abbas está feliz enquanto Israel estiver feliz. É por isso que ele ainda está mentindo para os palestinos.

É a mesma situação aqui no nosso gigante adormecido Brasil. As pessoas acreditam ainda mesmo em frente tantas incoerências do presidente, que ele de fato luta contra alguma coisa que denigre e diminui a qualidade de vida do povo, quando é o contrário. Bolsonaro apenas faz o discurso marrento que o povo cego e idiota que o segue, quer ouvir, apenas por orgulho e sem nenhuma noção do que realmente acontece “de cima”, mas em nada beneficia a nação e o povo na totalidade refletindo na qualidade de vida em nenhum sentido ou quesito. Basta ver a situação de nosso país e tentar admitir que: muda o representante, mas o mesmo jogo se desdobra sempre e para o PIOR DO POVO, mas prezando sempre a saúde de uma falsa economia que nos suga e rouba diariamente.

Os valores de um País estão em um representante poder TOMAR DECISÕES livres e com a única finalidade de beneficiar seu povo, mas aqui no Brasil, tanto quanto qualquer país do mundo, os enlaces pelo dólar das nações, torna os governantes nada mais que marionetes que ficam discursando, brigando e discutindo assuntos superficiais que dividem o povo e o faça ficar perdido no meio dessa guerra de interesses supressora de perspectivas que se movimenta bem acima de nossas cabeças por algo que todos vangloriam e respeitam. Ou seja, o dólar e continência ao EUA e israel. Os verdadeiros carrascos do povo mundial e nossa VERDADEIRA LIBERDADE, PAZ E JUSTIÇA.

Quer mais provas inegáveis?

Pesquise quais países se voltam contra a economia global atual e relutam o fato de ter suas riquezas naturais e bens produzidos em serem lastreados por essa maldita moeda, o dólar. Eles são atacados pela mídia os difamando por mentiras e ao mesmo tempo sendo sancionados por acordos comerciais obrigatoriamente impostos aos “vilões” que se recusam baixar sua cabeça e soberania interna às vontades do que o dito e FALSO livre mercado oferece. É tudo deles (donos do mundo) FALSOS Judeus multitrilhonários que aos comandos rabínicos ateus cabalistas no topo da percepção humana, ditam as regras pelos empresários mais ricos do mundo para todos os países que hoje se consideram “democráticos”.

Você acha mesmo que um gringo que já é dono de nossas riquezas naturais, as quais foram proporcionadas pelo neoliberalismo (privatizações das empresas extrativistas de nossos recursos” estarão preocupados com o bem estar de um povo que na visão deles é nascido para trabalhar, produzir e gerar lucro apenas? Tenha o mínimo de dignidade e senso coerente e busque mais em nosso portal do porque é tão absurdo quanto óbvio tudo isso que estou aqui tentando contrastear. 

Falsa paz, falsa democracia e falsa liberdade.

Luz pra nós!

escoladelucifer.com.br
www.unebrasil.net
unebrasil.org
unebrasil.com.br
unebrasil/livrolucifer
querovencer.unebrasil.com.br
congressodigital.unebrasil.com.br

!Luz pra nós!

 

Compartilhe a Verdade:


5 1 vote
Article Rating

Compartilhe a Verdade!

Entre com:





Subscribe
Notify of
8 Comentários
Most Voted
Newest Oldest
Inline Feedbacks
View all comments
Shirley Oliveira
05/10/2020 12:06 pm

Traidores da pátria em todo canto!
Luz p´ra nós!

Silvia Cristina Rodrigues
05/10/2020 1:17 pm

Vamos dar as mãos 123… (Música de Abbas e Bolsonáro) 😡! Que Deus tenha misericórdia… Luz p’ra nós!

Williams Rodriguez
05/10/2020 7:33 pm

Luz pra nós!

Leonardo Moreira
05/10/2020 8:56 pm

Luz P’ra Nós!

Gustavo Borba
05/10/2020 10:31 pm

Abbas e Bolsonaro, dois traidores… Luz p’ra nós!

Maria Fernanda
05/10/2020 10:58 pm

Gratidão pela ótima matéria!! Não representam em nada as verdadeiras necessidade da população… nem aqui e nem na Palestina. Da até vergonha desses.
Gratidão novamente. Luz p’ra nós!

José
06/10/2020 7:34 am

Luz pra nós

Macauley Shivaya ''Mago''
30/12/2020 11:16 pm

São traidores mesmo, mas logo o que é deles eles vão ter, luz para nós!

error

Seja caminho para a Verdade

8
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x
Pular para a barra de ferramentas