Acelerador de antimatéria promete deixar LHC no chinelo

lhc hires 0610026 02 A4 at 144 dpi 1024x685 - Acelerador de antimatéria promete deixar LHC no chinelo

Compartilhe a Verdade:


Mini-acelerador de antimatéria

Aakash Sahai, um físico do Imperial College de Londres, descobriu uma maneira de acelerar a antimatéria em um espaço de centímetros, em lugar dos quilômetros dos aceleradores atuais de matéria, o que promete fomentar não apenas a ciência das partículas exóticas, como também vislumbrar fenômenos de uma “nova física”.

A nova técnica poderá ser usada para investigar mistérios como as propriedades do bóson de Higgs, ou a natureza das hipotéticas matéria escura e energia escura, além de fornecer testes mais sensíveis para materiais usados em aviões e chips de computador.

Os aceleradores de partículas como o LHC (Large Hadron Collider), na fronteira entre a Suíça e a França, e o LCLS (Linac Coherent Light Source), nos Estados Unidos, aceleram partículas elementares de matéria, como prótons e elétrons.

Essas partículas aceleradas podem ser postas para colidir, como no LHC, para se quebrarem e produzir partículas mais elementares, como o bóson de Higgs, que dá massa a todas as outras partículas. Elas também podem ser usadas para gerar luz laser de raios X, como no LCLS, luz esta que é usada para fazer imagens de processos extremamente rápidos e pequenos, como a fotossíntese.

No entanto, para chegar às altas velocidades necessárias, os aceleradores precisam usar equipamentos com pelo menos dois quilômetros de extensão – o LHC tem 27 km de circunferência. Por isso tem havido um interesse crescente na construção de mini-aceleradores de partículas, que possam fazer o mesmo trabalho a um custo menor.

lhc 1 - Acelerador de antimatéria promete deixar LHC no chinelo

Feixes de antimatéria

Agora, Sahai inventou um método de acelerar não partículas de matéria, mas a versão de antimatéria dos elétrons – os pósitrons – em um sistema que teria apenas alguns centímetros de comprimento.

A técnica de aceleração de antimatéria usa lasers e plasma – um gás de partículas carregadas – para produzir, concentrar e acelerar os pósitrons, criando um feixe concentrado de antimatéria. Esse acelerador em escala centimétrica poderia usar os lasers já existentes para acelerar feixes de pósitrons com dezenas de milhões de partículas até a mesma faixa de energia alcançada com o acelerador LCLS, de dois quilômetros.

A colisão de feixes de elétrons e de pósitrons pode ter implicações importantes para a física fundamental. Por exemplo, essas colisões podem eventualmente criar uma taxa mais alta de bósons de Higgs do que o LHC, permitindo que os físicos estudassem melhor suas propriedades. Elas também poderão ser usadas para procurar novas partículas propostas por uma teoria chamada “supersimetria”, que preencheria algumas lacunas no Modelo Padrão da física de partículas, mas que não deram as caras no LHC até agora.

Os feixes de pósitrons também teriam aplicações práticas. Atualmente, ao verificar falhas e riscos de fratura em materiais como peças de aeronaves, lâminas de motores a jato e chips de computador, são tipicamente usados raios X ou feixes de elétrons. Os pósitrons interagem de maneira diferente com esses materiais, proporcionando outra dimensão ao processo de controle de qualidade.

A técnica foi modelada usando as propriedades dos lasers já existentes, e agora Sahai está formando uma equipe para testá-la em experimentos reais. Se tudo funcionar como previsto, a tecnologia poderá permitir que muitos laboratórios ao redor do mundo realizem experimentos de aceleração de antimatéria.

lhc 2 - Acelerador de antimatéria promete deixar LHC no chinelo,

Acelerador de antimatéria

O acelerador vai exigir um tipo de sistema de laser que atualmente cobre cerca de 25 metros quadrados, mas que já está presente em muitos laboratórios de física em todo o mundo.

“As tecnologias usadas em instalações como o LHC ou o LCLS não sofreram avanços significativos desde sua invenção na década de 1950. Eles são caros para serem operados, e pode ser que em breve tenhamos tudo o que é possível conseguir com eles.

“Uma nova geração de aceleradores de partículas elusivas – compactos, de alta energia e baratos – nos permitiria investigar a nova física – e permitir que muitos mais laboratórios ao redor do mundo se unam ao esforço.

“Com este novo método acelerador poderíamos reduzir drasticamente o tamanho e o custo da aceleração de antimatéria. O que hoje só é possível fazer usando grandes instalações de física, a custos de dezenas de milhões de dólares, pode ser possível em laboratórios de física comuns,” justificou Sahai.

1
Deixe um comentário

Please Login to comment

Entre com:




1 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
1 Comment authors
João Pedro Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
João Pedro
Editor

Esse assunto é bem delicado, pois o absurdo investido de dinheiro nessas construções é bem alto, com essa flexibilização será bem mais viável para que os avanços sejam globais. Ai sim teremos resultados mais relevantes para serem usados a favor da humanidade, nada de informações privilegiadas pra esses bilionários que investem horrores de dinheiro. Sabemos bem o que eles querem! Luz pra nos!