ter. jun 22nd, 2021

Enquanto Israel se aproxima de seu jogo final, é possível que não haja uma terceira Intifada

Compartilhe a Verdade!

Compartilhe a Verdade:


Todos os anos, geralmente durante o mês sagrado islâmico do Ramadã, como se os palestinos não reagissem de estômago vazio, Israel faz algo que torna suas forças de segurança e suas ações cada vez mais previsíveis. Como um festival anual, ele lança um ataque contra a população palestina, seja na forma de uma ofensiva aérea na Faixa de Gaza, ou um aumento nas medidas duras contra os palestinos em Jerusalém e na Cisjordânia – ou ambos.

Então, quando Tel Aviv enfrenta a reação inevitável de suas ações e a indignação da comunidade internacional, ele diminui seu ataque e segue uma campanha sustentada na mídia, alegando como os protestos reacionários subsequentes e a ação militar do Hamas são os únicos responsáveis ​​pelo aumento da violência.

Este ano fez o mesmo, mas algo está diferente. Em primeiro lugar, há a notável falta de esforço para minimizar seu papel nas hostilidades, o que é estranho para um estado que leva sua ótica mais a sério do que muitos. Depois de investir décadas e incontáveis ​​bilhões em seu lobby no Ocidente e pular para informar a imprensa após cada grande controvérsia ou atrocidade cometida, o que é bastante frequente, Israel foi surpreendentemente aberto e abrasivo em seus objetivos e táticas desta vez.

Além de relatos de que atiradores palestinos supostamente se dirigiram a Jerusalém na noite do ataque israelense ao complexo de Al-Aqsa e a transmissão usual dos ataques do Hamas, Israel não se esforçou para apresentar quaisquer desculpas adicionais para suas ações.

O aumento nos despejos forçados do bairro de Sheikh Jarrah, a tomada de Jerusalém Oriental e a profanação do terceiro local mais sagrado do Islã mostram um movimento gradual em direção ao objetivo de anexar completamente a potencial capital de um futuro estado palestino. Israel parece não se importar mais com a forma como é percebido pela comunidade internacional ou com a opinião pública das populações ocidentais.

Muito pelo contrário, na verdade. Os próprios vice-prefeitos de Jerusalém admitiram que as expulsões forçadas de famílias palestinas de suas casas ancestrais em Sheikh Jarrah têm o objetivo de tornar a cidade sagrada distintamente judaica, reconhecendo o que muitos veem como um ato de limpeza étnica.

Isso contrasta com a forma como, apenas no ano passado, Israel suspendeu seus planos de anexar partes da Cisjordânia após uma enxurrada de pressões internacionais contra ela, entre outras razões, como desacordos internos. Uma pressão avassaladora funcionou em um passado não muito distante, mas parece que isso pode estar mudando.

Essa atitude cada vez mais flagrante e desavergonhada é, é claro, porque Tel Aviv sabe que pode escapar literalmente de qualquer atrocidade sem ser devidamente responsabilizada, nem por seus aliados, como os EUA, nem pelos estados árabes que a cercam, tampouco pelo mundo muçulmano em geral que faz vista grossa aos ataques contra Al-Aqsa. Esse fenômeno foi resumido perfeitamente pelas inúmeras declarações de países estrangeiros sobre sua “preocupação” e, mais claramente, pela recusa do porta-voz do Departamento de Estado dos Estados Unidos, Ned Price, em condenar o assassinato de crianças palestinas por Israel.

Indo um passo adiante, Israel sabe que mesmo os próprios palestinos que perseguem não irão – e não podem – oferecer resistência suficiente na forma de uma terceira Intifada. Uma nova Intifada, ou levante em massa, como foi visto pela primeira vez em 1987 a 1993 e novamente em 2000 a 2005, há muito é convocada nos últimos 15 anos e foi imprecisamente prevista para ocorrer após cada grande ataque israelense. O tópico também surgiu recentemente na mídia israelense, que detalhou e discutiu extensivamente a possibilidade, e essa possibilidade nunca foi menor.

Apesar de todos os ingredientes de uma terceira Intifada existente e fervendo – a raiva popular contra Israel em toda a sociedade palestina, o desespero por desenvolvimentos políticos atrofiados e o aumento óbvio na intensidade da opressão israelense -, os meios de montar um levante sustentado não estão lá. Além disso, parece que Israel evitou com sucesso que uma terceira Intifada se materializasse depois de aprender a lição das duas primeiras.

Em primeiro lugar, a cena política palestina está mais desunida do que nunca. Apesar dos movimentos conciliatórios entre o Hamas e o Fatah, ou a Autoridade Palestina (AP), a decisão do presidente da AP, Mahmoud Abbas, de cancelar as esperadas eleições palestinas devido à impossibilidade de votar dos palestinos de Jerusalém, resultou em grande decepção. O Hamas posteriormente condenou a decisão da AP como prejudicial ao futuro da Palestina. As frentes palestinas, portanto, permanecem fragmentadas, ao contrário das duas últimas Intifadas.

Adicione a isso a desunião física e territorial entre os palestinos nas três áreas principais que eles povoam – a Faixa de Gaza, a Cisjordânia e Jerusalém Oriental. Desde o início da segunda Intifada, as autoridades de ocupação israelenses restringiram severamente a liberdade de movimento dos palestinos muito mais do que antes, implementando um sistema de postos de controle permanentes, bloqueios de estradas, portões, estradas fechadas, barreiras e o famoso muro de separação, que permanecem até hoje. Como os palestinos podem se reunir em massa e encenar um levante sob tais restrições?

Há também a falta de uma liderança unificada necessária para impulsionar um levante organizado e estratégico, ao contrário da época de Yasser Arafat, que, apesar da polêmica em torno dele e de suas divergências com outras facções, era visto como a figura principal da resistência palestina durante as Intifadas. Gente como Abbas e a AP dominada pela corrupção, portanto, são vistos como a antítese da liderança unificada necessária para uma Intifada.

Isso também está relacionado aos diferentes interesses em jogo, ou seja, que a AP e sua situação econômica dependem fortemente de Israel. Isso ficou aparente no ano passado, quando Israel reteve milhões de dólares em receitas fiscais devidas à Autoridade Palestina a fim de chantageá-la com sucesso para retomar a coordenação de segurança. Um levante apoiado e liderado por Ramallah iria, para eles, apenas aprofundar ainda mais esses problemas econômicos e talvez ter um resultado mais destrutivo para a AP.

A situação geral parece desoladora para quem espera por uma terceira Intifada, já que Israel habilmente garantiu de todas as maneiras possíveis que tal coisa não ocorreria facilmente. Viu as lacunas em seu aparato de segurança, corrigiu-as e, agora, sem ninguém capaz de responsabilizá-lo com eficácia, não se preocupa mais em ocultar seus crimes contra a humanidade ou sua campanha de limpeza étnica.

 

Fonte MEMO (Monitor do Oriente Médio)

 

 

Interajam e não esqueça da força no merch:

Escola de Lucifer
Círculo EDL
Unebrasil

Livro Lucifer

Unebrasil.net
Quero Vencer
Congresso Online

Luz p’ra nós!

Compartilhe a Verdade:


5 1 vote
Article Rating

Compartilhe a Verdade!

Entre com:





Subscribe
Notify of
10 Comentários
Most Voted
Newest Oldest
Inline Feedbacks
View all comments
Shirley Oliveira
13/05/2021 8:11 pm

Luz p´ra nós.

TheusRick
13/05/2021 9:19 pm

A justiça não tarda Luz p’ra nós.

Silvia Cristina Rodrigues
13/05/2021 9:20 pm

Tensão crescente, complicado! LPN

Edson Junior (Junior)
13/05/2021 10:32 pm

Luz pra nós!

Matheuzin
14/05/2021 1:04 am

Luz p’ra nós 🍎

Kaique Aguiar
14/05/2021 8:02 am

Negócio ta doido, Luz p´ra nós

Maísa Sousa
14/05/2021 11:10 am

A justiça de deus irá pesar contra israel
Luz pr’a nós

Daniela Cristina
Editor
15/05/2021 4:55 pm

lol sem palavras…

Bruno Davi Moquiute
17/05/2021 10:50 pm

Luz para nós!!!

Williams Rodriguez
18/05/2021 11:05 am

Luz pra nós!

error

Seja caminho para a Verdade

10
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x
Pular para a barra de ferramentas