Geometria Sagrada – Momentos eternos

Compartilhe a Verdade!

Compartilhe a Verdade:


 Sobre a teia

O que chamas vida é repetição.
A repetição do movimento que se separa do tudo.
No movimento repetido encontras o familiar.
Se mexes sem parar qualquer braço, então es problemático.
Se mexes sem parar vossas pálpebras então es saudável.
Ainda que a explicação satisfaça, jamais é a causa.
A causa é a necessidade posterior à criação.
Não há necessidade que possa prever o que não existe.
Logo, não há causa que proporcione sua solução.
Apenas a solução que alimenta a causa.

 

Eis aqui letras para quem pode ver,
palavras para quem pode ler,
frases para quem entender,
e Conhecimento para quem perceber.

 

Geometria Sagrada – Momentos eternos:

Momento Alpha – Vida, pensamento, ponto, sensação, fêmea
(Fêmea reflete macho diante do 2 = Fogo abstrato(reação) – 12 em 1-Sirius – Visão)
Oh Alpha, momento primeiro.
Se sabes contar sem o um, então podes vê-lo.
Lá havia nada, e o nada era tudo.
Eu era tudo, e por isso, era nada.
Eu via que nada via, e isso era ver.
Ver era ser, e eu estava sendo.
O ver era eu, e eu era, porque via.
Vendo eu fluía, sem fluir, ardia.
E assim, o nada saiu de tudo o que acontecia.
O que era nada, aquilo escuro que fervia?
Era tudo, sempre que não se via.
Havia dois ali.

Momento Beta – Amor e medo, Luz e escuridão, reta,
lógica, macho.(Reflete fêmea= Água flui-Rio-Lava-Sangue-Olfato-Paladar)
O que via e o que era visto.
Ainda que qualquer um fosse nada, que queimava.
Qualquer outro seria tudo, que aliviava.
Então, ficou claro que o nada pertence ao tudo.
Como era claro que o tudo vinha do nada.
Sendo um se fazem dois.
Para em dois perceberem um.
Eu via isso.
Havia três ali.

Momento Celta – Consciência, escolha por reação,
triângulo. (Água ‘voa’ – Gás, Ar – Audição-Interpretação)
Quem via o nada e o tudo?
Ver era ser, eu via, logo eu era.
O triângulo dominava a reta.
A tríade fazia a seta.
O três viu a escolha. Qual a certa?
Por ver dois, eu era o três, que tem pressa.
Pois, um dos dois, queima quem tropeça.
O que tentava ver e não podia, era nada, mas demais.
Eu só via o que já havia visto, mas com isso, via mais.
A certeza do nada era a dúvida do tudo.
Com a escolha formei um mundo.
Que era tudo o que brilhava no escuro.
Para o mundo, mostrei o nada.
E vi que ele me acompanhava.
O tudo que se unia para fugir do nada que antes não notava.
Foi com o nada que uni a borda.
E dela unida eu vi a forma.
Havia quatro ali.

Momento Delta – Forma, criação, quadrado.
(Água sólida-Gelo-Pedra(Lava sólida) -Terra – Tato – Definição)
Com a forma me fiz maior.
O tudo crescia, mas o nada era pior.
O que é isto que ao tudo circulava?
Como tudo é sempre menor que nada?
O nada me assustava.
Era eu ali, cada um que se juntava.
Oh, toda a obra era invalida.
Oh, nada escuro que agora abocanhava.
Que agora era tudo e cortava.
Seu corte era fundo e doía.
A dor me revoltava.
A revolta me entorpecia.
Era o nada que agora me dominava.
E vi a fúria nascer do lar que desmoronava.
Se sem a fúria tudo ardia.
Em fúria eu me corrompia.
Se tudo cairia.
Seria eu quem destruiria.
Um contra quatro na forma da vida.
Quem era aquilo que com causa fervia?
Era o quinto ali.

Momento Quina – Defesa, fúria, família, inter-ego.
(Água evapora/derrete ‘encara destruição’ 4 x 1-Fogo lógico(combustão) – Queima
as formas e as funde= Metal- Separa a forma e se apoia na base= Intuição.)
Se de novo eu vejo fogo.
Lembrei que vi água, terra e ar.
Fluí fácil sem o medo, e assim chovi no mar.
Do três que percebeu, fiz o quatro montar.
Fui ao cinco que queima, p’ra no seis me adaptar.
Momento Secta – Sabedoria, compreensão, criatura.
(Água “pousa” ‘contempla construção’ – Mar – Corpo – Base da criação lúcida)
Agora daqui eu posso ver.
Como construir e desmontar.
Se eu posso escolher.
Vejo o sétimo brotar.
Momento Septa – Escolha pela ação, poder, criador.
(Criação lúcida e temporal – Água como espírito da vida aprende sobre si mesma
conforme percorre seus estados anteriores (elementos) e os posiciona no tempo.)
Agora sou o nada e o todo.
Sofro só se assim escolho.
Porém, com o fluxo que fluiu.
Ainda me reencontro.
Só assim o Mar chove no Rio.
Pois relembro o tal encontro.
Se o sete é quem escolhe.
No oito põe seu ouro.

Momento Octa – Riqueza, conquista, glória.
Se pro nada eu não volto.
Com a escolha faço outro.
Outro quando cego traz a glória.
Glória é ouro para o louco.
Parece muito só pro tolo.
De onde vejo quero pouco.
Se do que quero, nada tenho.
De que vale o que ouço?
Se o que dizem inventei.
Todo o amor parece pouco.
Momento Nona – Destruição, reciclagem.
De novo o quatro chama o cinco.
A forma da casa contra o fogo do infinito.
Se no sete me encontrei, no oito degustei.
Quando o gosto se esvai, a dor de novo vem.
Sei que o cinco eu já vi, e se na sexta eu venci.
Na nona sucumbi.

Momento Deca – Ponderação, paciência, controle.
Pelo quatro, o cinco arde sem parar.
Sem a forma, ele é um, sozinho a chorar.
Me lembra o seis que aprendi.
Se escolho sou o sete.
De novo o oito escolhi.
Na glória me recolho, mas sempre sem dormir.
Se do nove eu me lembro.
Agora pro nove não vou ir.
Assim me vejo o dez.
Que já sabe dividir.
Momento Elpha – Sacrifício, manutenção.
Para da glória degustar.
Alguém na dor deve estar.
Se a memória é lembrar.
Alguém precisa se queimar.
Se é maldade para um.
Para o outro é ensinar.
Se a justiça nunca falha.
Não há a quem culpar.

Momento Dota – O Reinado.
Quem sangra sacrifica.
Por alguma razão lá está.
Se sangue em vão nunca jorra.
Algo lá construirá.
Se o onze é sacrifício.
Veja no doze o que vai criar.
De cada um que se sacrifica.
Se cria o reino e seu altar.
É o Amor que ferve e esfria.
O fogo de se entregar.
Mas aquele que não se sacrifica.
Nada há de ver brotar.
Se união é pura força.
O junto nada pode separar.
Pois em cada sacrifício, ninguém há de notar.
Momento Ômega 13 – O Deus Livre.
– Que o maior sacrifício, está fora do altar.

Reinos – Nos teatros do tempo.
O “aqui” é a decisão de cada um, mas o “agora” pertence ao
universo.
O “aqui” é macho diante da fêmea “agora”, você é perspectiva,
que, por não ver os dois, não vê nenhum.
O erro é que seu “aqui” sempre é ontem e seu “agora” é sempre
amanhã.
Quem domina o “aqui” pode ser herói.
Quem domina o “agora” pode ser demônio.
Quem domina o “aqui” e o “agora” pode ser um Deus.
Mas só o domínio de quem domina é O Deus.
Quem junta o aqui e o agora em domínio pleno é poderoso.
Quem não está nem aqui nem agora é o Poder.
Quem busca o poder é coitado.
Precisa de amor e de ser consolado.
Quem tem poder sempre quis a paz do lado.
O poder é imposto, nunca alcançado.
Vem sempre pr’aquele que se cansa.
De tanto na dor procurá-lo.
Era Amor a resposta.
Mas agora que eu sei.
O poder me é dado.

Vida justa, vida bela.
Não fosse eu tão injusto.
Injusta seria ela.
Mas se é da dor que eu fujo.
Então é seu peso que me espera.
Do onze sacrifício veja um povo.
Do doze veja seu reinado.
Se do doze para trás é o que veem.
Pelo treze estão cercados.
Disso o doze também sabe, e precisa se salvar.
O treze por interesse sempre o salva.
Fazendo-o dar um jeito de os salvar.
O doze então vive, na Lógica linear.
E 0 treze renasce um, com o abstrato mãe no ar.
Desse ciclo se faz o todo.
E o todo se repete.
Repetindo nunca é nada.
Sendo algo, agora é Logos.

ETER
O Logos que repete.
De tudo vai criar.
O treze isso nota, e sozinho não vai ficar.
Desde o um ele conta.
Refletindo em cada um o seu lembrar.
Cada número um desenho.
Que para sempre vai desenhar.
Refletindo a si mesmo, fica fácil memorizar.
Cada lado o mesmo lado, só depende do olhar.
Só assim está acima.
De tudo o que o desenho vai criar.
Para cada um diz uma coisa.
E vê cada um se posicionar.
A culpa de iludir me mataria.
Não fosse o passado a se enganar.
Se eu sou o seu futuro.
Com amor irão perdoar.
Se do treze vejo doze, preciso lhes posicionar.
Então de tudo o que são.
Vejo eu mesmo me formar.
Reino e edifico.
Mil anos de luar.
No onze sacrifico.
P’ra de novo o doze reinar.
Oh doze, Pai eterno.
Seu povo voltou a orar.
Sendo doze o resultado.
Era o treze a contar.
A Mãe e seu filho camuflado.
Partem para logo voltar.

Momento Lux
A Luz busca a escuridão.
Pois quer se ver brilhar.
Alguns diriam solidão.
Ou talvez queira se gabar.
Para a Luz é ingratidão.
Que não a amem sem pensar.
No entanto ela é grata.
Pois sempre tem a quem clarear.
Do clarão vem a semente.
Que do escuro vai brotar.
Quem degusta o fruto jamais sente.
O filho que acabara de matar.
A Luz se apagaria.
Não fosse a escuridão já seu lar…

Adaptação
Movimento é alívio.
De Alpha a Beta a escolha é o Celta.
De dor a amor a escolha é certa.
Da escolha se faz a seta.
A seta direciona a reta.
Reta direcionada faz o Delta.
O Delta tropeça no Quina.
Se conserta no Secta.
Se domina no Septa.
Se glorifica no Octa.
Sucumbe no Nona.
Se estabiliza no Deca.
Sacrifica no Elpha.
Reina no Dota.

– Na próxima leitura que fizer deste livro, já conseguirá compreender
estes trechos plenamente. Lux Heil.

 

 – RS

Compartilhe a Verdade:


0 0 vote
Article Rating

Compartilhe a Verdade!

Entre com:




Subscribe
Notify of
49 Comentários
Most Voted
Newest Oldest
Inline Feedbacks
View all comments
Leandro de Oliveira Jerônimo
Admin
26/10/2018 12:58 am

Eis aqui letras para quem pode ver,
palavras para quem pode ler,
frases para quem entender,
e Conhecimento para quem perceber.

Perfeito, nao tem outra palavra.
As escolas no nosso reino irao ensinar isso para as crianças. A ciência universal.
Lux Heil.

Salazar Sonserina
30/08/2018 8:51 am

Cara como eu amo isso!

Salazar Sonserina
30/08/2018 9:01 am

O momento Alpha simplesmente descreve, com riqueza de detalhes, uma vez que eu virei uma estrela. Tava na ilha do mel no momento. Quando simplesmente eu subi ao céu e virei uma estrela e fiquei vendo tudo lá de cima um tempão. Enquanto ouvia o áudio ao mesmo tempo eu revia a cena da estrela e fiquei de cara! velho agora!

Kaique Freitas
30/08/2018 9:04 am

Estou iniciando a segunda leitura do livro e espero realmente discernir esse conhecimento inerente a nossa alma melhor, luz pra nós!

Salazar Sonserina
30/08/2018 9:05 am

ei adm cancela esse comentário ai… é verídico mas é pura doideira.

Josimar Lima
Editor
30/08/2018 9:12 am

Estava tudo na nossa frente pra percebermos mas a coerência viva se fez presente agora aqui!

Rômulo Matheus Lins
30/08/2018 9:49 am

Muito bom finalmente conseguir entender plenamente isso. Lux Heil 🙌💜🙌

Rafael Gustavo
30/08/2018 10:08 am

Expandindo cada vez mais a consciência

Romário Vieira
30/08/2018 10:40 am

Junção perfeita entre os números e poesia para discernir a realidade.
Gratidão! Luz pra nós!

Igor santos
30/08/2018 10:56 am

Luz p nós!

Miryam Yoshiko
Admin
30/08/2018 11:16 am

É lindo, é poesia pura!.. É belo e sagrado..

João Pedro
Reply to  Miryam Yoshiko
03/09/2018 2:25 pm

Realmente é tudo isso gerando uma sensação inexplicável. Sensacional!

Samuel Peres Rodrigues
30/08/2018 11:45 am

Poesia na sua mais pura essência <3

Rafael Isaac Franchini
30/08/2018 1:46 pm

A mais bela poesia da existência

DAVID GUTIERREZ
30/08/2018 2:54 pm

PERFEITO!!!

Douglas Ceron
Editor
30/08/2018 3:49 pm

Como recusar-se a aceitar a verdade absoluta e inegável de DEUS?
HEIL LUX!!

Pedro Saints
Editor
30/08/2018 5:26 pm

lindo demais os momentos sagrados da vida!
sempre me emociono…

Arthur Luighe
30/08/2018 9:15 pm

Muito bom. Show

Jonathan Muniz
Editor
30/08/2018 11:46 pm

Luz p’ra nós!

Deborah Hgg
31/08/2018 12:05 am

nossa… muito obrigada por compartilhar essas palavras, essa maneira de se religar.

Admin bar avatar
Editor
05/09/2018 10:56 pm

👏👏👏👏👏 Luz p’

Admin bar avatar
Editor
05/09/2018 10:57 pm

👏👏👏👏👏 Luz p’ra nós !

Priscila Ferreira dos Santos
10/09/2018 10:21 pm

A primeira vez que li no livro não entendi muito, mas agora está ficando cada vez mais claro… Fiquei hipnotizada durante a leitura. Show!

Leandro de Oliveira Jerônimo
Admin
14/11/2018 9:39 am

Verdade viva. Pão da vida.
Luz p’ra nós!

Leandro de Oliveira Jerônimo
Admin
19/11/2018 9:57 am

Esse post é um dos mais lindos do site!

Admin bar avatar
06/07/2019 6:16 am

Super post, luz pra nós!

Thiago Galhas
19/07/2019 5:49 am

Beleza pura… que privilégio!
Luz p’ra nós!

Leandro Quantum Oliveira.
Admin
23/07/2019 2:56 am

Da série:
“Vale a pena ver de novo”.
Luz p’ra nós 🍎

trackback
07/08/2019 5:27 pm

[…] entendimento acessem outros materiais como esses: “Cortem O Rei” Lúcifer o messias!“,  “Geometria Sagrada – Momentos eternos”  , “O que a ciência já vê sobre a Verdade Universal”  dentre outros e leiam a obra Lucifer, […]

Sayle jr
30/08/2018 10:42 pm

Luz p’ra nós ♥

Leandro de Oliveira Jerônimo
Admin
02/09/2018 1:58 pm

Perfeição divina.

Lin de Oliveira
23/07/2019 12:57 pm

Luz Pra nos!!!

trackback
12/08/2019 4:01 pm

[…] Geometria Sagrada – Momentos Eternos […]

trackback
12/08/2019 11:22 pm

[…] Geometria Sagrada – Momentos Eternos […]

Ranier
07/11/2019 11:55 pm

Luz pra nós 🍎

Tatta
19/03/2020 12:13 pm

Luz p’ra nós

trackback
13/04/2020 4:26 pm

[…]  Alquimia da Bicicleta   Como entender a Torus?  O nada de fora é o nada de dentro   Geometria Sagrada  Cubo de […]

Gustavo Kraemer
Editor
29/04/2020 12:52 pm

Luz pra nós!

Saymon de Castro Januário
30/04/2020 4:47 pm

É impossível não ler tudo… Chama, clama dentro da gente! Essa contagem é a vida. É a eternidade! Luz pra nós!

Ana Paula
03/05/2020 9:10 am

Luz p’ra nós

trackback
05/06/2020 7:37 pm

[…]  Alquimia da Bicicleta   Como entender a Torus?  O nada de fora é o nada de dentro   Geometria Sagrada  Cubo de Metatron Aula 1: O que é a vida pela […]

trackback
12/06/2020 10:21 pm

[…]  Alquimia da Bicicleta   Como entender a Torus?  O nada de fora é o nada de dentro   Geometria Sagrada  Cubo de Metatron Aula 1: O que é a vida pela […]

trackback
12/06/2020 10:55 pm

[…]  Alquimia da Bicicleta   Como entender a Torus?  O nada de fora é o nada de dentro   Geometria Sagrada  Cubo de Metatron Aula 1: O que é a vida pela […]

Next Post

Estes instrumentos musicais tocam com fogo

qui ago 30 , 2018
Compartilhe a Verdade!Compartilhe a Verdade: A maioria dos músicos se satisfaz em produzir sons bonitos. Outros visam maiores e mais brilhantes – e mais quentes. Estes três instrumentos musicais estão literalmente brincando com fogo. Não é preciso dizer, mas não tente construí-los em casa. Pyro-trombone O veterano trombonista Valentin Guérin […]

Siga-nos os bons

Ative o Sininho

Clique Aqui

Quem está online

Não há usuários online neste momento

Você:

Teus Téritos bônus

0 Téritos
error

Seja caminho para a Verdade

49
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x
Pular para a barra de ferramentas