queimadas fogo amazônia
Monitoramento de Queimadas na Amazônia em Julho de 2021. Coluna de fogo avança sobre floresta degradada em Porto Velho, Rondônia. Foto: Christian Braga | Greenpeace

 

De acordo com os dados do Inpe Queimadas, julho registrou 4.977 focos de calor no bioma Amazônia. Todos estes focos podem ser considerados ilegais uma vez que o Decreto nº 10.735 proibiu o uso do fogo no Brasil desde 28 de junho de 2021, mesma data em que o governo federal autorizou novamente o uso das tropas militares para combater as queimadas.

“É importante analisar os focos de calor considerando também o desmatamento ocorrido recentemente na Amazônia. Muitas áreas foram derrubadas e degradadas recentemente e devem ser queimadas ilegalmente nos próximos meses, quando a vegetação remanescente fica mais seca e suscetível ao fogo”, comenta Cristiane Mazzetti, gestora ambiental do Greenpeace.

“O PIOR ESTÁ POR VIR, ALÉM DOS PRÓXIMOS MESES SEREM MAIS SECOS NA AMAZÔNIA, OS ÓRGÃOS AMBIENTAIS SEGUEM ENFRAQUECIDOS E O CONGRESSO NACIONAL TEM COMO UMA DE SUAS PRIORIDADES APROVAR ALTERAÇÕES NA LEI QUE INCENTIVAM AINDA MAIS DESTRUIÇÃO AMBIENTAL E INVASÃO DE TERRAS PÚBLICAS.”

Cristiane Mazzetti, gestora ambiental do Greenpeace

A Amazônia segue sob intensa ameaça e a ilegalidade e destruição continuam devastando grandes áreas, conforme mostram as imagens registradas pelo Greenpeace em sobrevoo. Foto: Christian Braga | Greenpeace

O número de focos registrados na Amazônia em maio e junho já havia sido o maior para esses meses desde 2007. Em julho, houve uma redução de 27% quando comparados ao mesmo mês em 2020. Estados como Rondônia e Acre registraram aumento no número de focos (95% e 29% respectivamente) e a situação no Amazonas segue preocupante: o estado tem se destacado no aumento da devastação e o registrado no mês é superior à média histórica. Conforme ilustrado na figura abaixo:

A linha laranja traz em cada ponto o valor médio de hotspots nos últimos 10 dias, e isso permite comparação com valores médios de longo prazo, nos permitindo entender como os registros atuais se relacionam com a média histórica. A linha em amarelo é composta de pontos representando a média dos últimos 20 anos para cada dia. Gráfico extraído de: https://maps.greenpeace.org/fire_dashboard/?lang=pt, fonte dos dados: MODIS hotspots, com atributos de LANCE FIRMS operado pela NASA/GSFC/Sistema de Informação e Dados Científicos da Terra (ESDIS) com financiamento fornecido pela NASA/HQ
.

“O impacto acumulado na Amazônia a partir do fogo e do desmatamento só aumenta, estamos empurrando a floresta cada vez para mais perto do seu limite e minando seu papel de aliada no enfrentamento às mudanças climáticas”, explica Cristiane.

“COM A DESTRUIÇÃO CRESCENTE DESTE BIOMA RICO EM ESTOQUE DE CARBONO, ESTAMOS CONTRIBUINDO PARA QUE EXTREMOS CLIMÁTICOS COMO ESSES VIVENCIADOS RECENTEMENTE AO REDOR DO PLANETA E NO BRASIL SE TORNEM MAIS FREQUENTES E INTENSOS NO FUTURO.”

Cristiane Mazzetti, gestora ambiental do Greenpeace.

 

 

Fonte: Ciclo Vivo

Ainda não é Aluno? Cadastre-se aqui, e faça parte dessa Revolução.

Já é Aluno, mas ainda não se tornou Membro? Vire membro aqui, e contribua com essa Verdade. Mensalidade convertida em Téritos e conteúdo exclusivo.

Faça parte do Congresso Online e lute pelo Brasil!

Luz p’ra nós!

Portais:

www.escoldadelucifer.com.br
www.unebrasil.com.br
www.unebrasil.org
www.querovencer.unebrasil.com.br
www.congressoonline.org
www.unebrasil.wixsite.com/livrolucifer
www.unebrasil.net