O estranho caso do Petróleo no litoral Nordestino

“As manchas negras começaram a ser registradas em praias da Paraíba e de Pernambuco no início deste mês. João Pessoa, Recife e Olinda foram algumas das cidades atingidas. Posteriormente, o óleo se espalhou pelo litoral de Alagoas, Sergipe, Ceará, Maranhão, Piauí e Rio Grande do Norte, onde, de acordo com o Ibama, a situação é a pior. Vídeos e fotos dos locais e animais atingidos pelo petróleo cru em diversos estados já povoam a internet. Em Aracaju, enormes manchas negras chamam a atenção de quem passa pela Praia da Coroa do Meio, que fica bem próxima ao Rio Sergipe. Além da águas, as pedras de contenção foram atingidas.

 

Praias de nove estados da região Nordeste já foram atingidas pelo petróleo que começou a aparecer na costa no início de setembro. De acordo com o Ibama, já são quase 130 praias atingidas em todo o Nordeste em quase 60 municípios.   Último estado livre das manchas de óleo, a Bahia foi afetada, segundo o projeto Tamar, que preserva as tartarugas marinhas. No extremo Norte do litoral baiano, há pelo menos três pontos de contaminação, sendo que dois ficam nas praias do Coqueiro e de Mangue Seco, nos municípios de Jandaíra e Conde. Até agora, a Marinha não soube informar ainda o tamanho da área atingida e de onde veio o material, mas informou que está coletando amostras do óleo para análise no Instituto do Meio Ambiente Paulo Moreira. ” – O Globo

 

 

Victor Hugo B. de Melo

8 thoughts on “O estranho caso do Petróleo no litoral Nordestino

  1. Irmão com certeza isso deve ser fruto da exploração clandestina de petroleiras ilegais nas fronteiras marítimas do Brasil.

    O Brasil tava justamente desenvolvendo um acordo com a Franca na compra de submarinos nucleares para poder monitorar o Pré- Sal.
    Agora Bolsonaro a mando dos EUA esta criando conflito com a França justamente para o fim do acordo do submarino e deixar as fronteiras abertas.

Deixe uma resposta

Next Post

A comunidade internacional é cúmplice na tortura israelense de palestinos

seg out 7 , 2019
A comunidade internacional é cúmplice na tortura israelense de palestinos A tortura sofrida pelo prisioneiro palestino Samer Arabeed nas mãos dos interrogadores israelenses de Shin Bet demonstrou, mais uma vez, que a proibição de tal tratamento consagrava na Quarta Convenção de Genebra, no Estatuto de Roma e na Convenção da […]