dom. maio 16th, 2021

Para evitar aglomerações, SP deve aumentar frota de ônibus

Compartilhe a Verdade!

Compartilhe a Verdade:


monitor onibus
Foto: Roberto Parizotti | FotosPublicas

 

Número de passageiros aumentou enquanto a quantidade de ônibus permaneceu inalterada, revela Monitor de Ônibus SP.

Em média, 5,3 milhões de passageiros utilizaram os ônibus públicos da cidade de São Paulo em cada dia útil de fevereiro deste ano. O número representa 300 mil passageiros a mais do que a média de janeiro de 2021, segundo dados do Monitor de Ônibus SP, do Instituto de Energia e Meio Ambiente (IEMA), ferramenta online onde é possível acompanhar indicadores do transporte público por ônibus paulistano.

Desde maio de 2020, após os primeiros meses de maior adoção do distanciamento social, o número de pessoas se locomovendo por ônibus públicos tem aumentado gradualmente. Enquanto isso, a frota paulistana permaneceu com uma média de 12 mil ônibus circulando em dias úteis desde junho do ano passado. Essas informações fazem parte do Boletim do Monitor de Ônibus SP, publicado pelo IEMA com dados atualizados a cada dois meses, retirados da ferramenta sobre os ônibus públicos paulistanos de mesmo nome.

Usaram os ônibus públicos da cidade de São Paulo, em média, 4,7 milhões de passageiros em cada dia útil de setembro de 2020. Em outubro, 4,9; em novembro, 5,1; em dezembro, 5,0; e a mesma quantidade em janeiro. Tipicamente, menos pessoas utilizam o transporte público por ônibus nos meses de férias (dezembro e janeiro), o que explica as menores médias observadas no período. No entanto, era de se esperar um aumento de passageiros para fevereiro tendo como base a tendência recente. Ao mesmo tempo, a quantidade de ônibus circulantes em dias úteis seguiu em torno de 12 mil desde junho do ano passado. As análises foram produzidas a partir dos dados abertos disponibilizados pela SPTrans e outros disponibilizados pela SPTrans em uma colaboração com o IEMA.

Para evitar aglomerações em horários de pico e, consequentemente, maior risco de contaminação pelo coronavírus, melhor seria aumentar a frota em circulação. No mínimo, a frota poderia voltar à quantidade circulante de antes da pandemia: 13 mil ônibus em dias úteis. “Para evitar aglomerações no transporte público por ônibus, por que não manter minimamente a frota em sua capacidade operacional pré-pandemia? É preciso clarear e entender os fatores que levam à decisão da menor quantidade de veículos em circulação. Supomos que a própria Covid-19 impacta nesse cenário, sabendo-se que muitos motoristas e cobradores são do grupo de risco e estão afastados de suas funções, além das muitas vidas perdidas dentre esses trabalhadores”, diz David Tsai, pesquisador do IEMA. “Há também a dificuldade de sustentação econômica dos sistemas dado que a tarifa paga pelo usuário responde por parte significativa dela. E isso é um problema histórico e generalizado nas cidades brasileiras”, completa Tsai.

“A frota está menor do que já foi no passado recente, imediatamente antes da pandemia de coronavírus chegar ao Brasil”, ressalta Felipe Barcellos e Silva, pesquisador do IEMA. Como a aglomeração pode favorecer a transmissão do vírus, seria importante aumentar a frota para evitar esse problema. “A pandemia de coronavírus parece estar mais infecciosa no Brasil e a falta de ônibus em circulação no horário de pico se torna uma sensível e importante questão de saúde pública, bem como de direito de circulação digna das pessoas. A pandemia tem colocado em xeque, Brasil afora, os modelos vigentes de sustentação do transporte público coletivo. Faz-se necessário viabilizar formas de garantir um adequado e constantemente aprimorado sistema de mobilidade para a população”, comenta Silva.

Antes da crise epidêmica de coronavírus no Brasil, a cidade de São Paulo tinha, em média, 8,4 milhões de passageiros de ônibus municipais por dia útil de fevereiro de 2020, 60% a mais do que no mesmo mês de 2021. De acordo com Tsai, embora a quantidade de passageiros seja menor,  houve casos relatados de que concentrações ocorreram em horários de pico. “Grande parcela da população continua precisando se deslocar para trabalhar e, para tanto, depende do transporte público.”

Vale lembrar que, em abril e maio do ano passado, a frota média de ônibus circulantes na cidade de São Paulo foi reduzida para, aproximadamente, oito mil veículos. Na época, a medida foi criticada por favorecer a aglomeração de passageiros, mesmo com a demanda de viagens menor do que antes da pandemia. O número médio de passageiros era de, respectivamente, 2,7 e 2,9 milhões por dia útil. No mês seguinte, a frota foi ajustada, tendo se estabelecido em cerca de 12 mil coletivos. Esse valor segue até agora.

Isolamento diminuindo

O gráfico sobre a quantidade de passageiros corrobora com a conclusão de que o isolamento social gradualmente diminuiu na cidade de São Paulo. Essa demanda crescente mostra que o sistema de ônibus público é essencial para a população. “Como as pessoas voltaram para as ruas, começaram a usar o sistema”, conta Silva. Por outro lado, a demanda por transporte público ainda segue abaixo do patamar pré-pandemia, apesar de já ter sido bem menor: em abril de 2020, a média diária de passageiros chegou a ser 68% menor do que em fevereiro do mesmo ano.

Frota mais limpa

Apesar de a frota total em circulação ser menor do que o patamar pré-pandemia, os veículos utilizados estão sendo renovados tecnologicamente. “Mesmo mais lentamente do que em condições normais, observamos que a frota continua se renovando tecnologicamente”, diz Silva. A Lei Municipal 14.933 de 2009 prevê a renovação dos ônibus públicos por veículos com tecnologias menos emissoras, visando a diminuição das emissões de poluentes e de gases de efeito estufa (GEE) na capital paulista. Com o baixo nível de circulação dos ônibus, os indicadores mostram que fica facilitado o cumprimento das metas durante tal período atípico.

Somando janeiro, fevereiro e março de 2021, as quantidades acumuladas de dióxido de carbono (CO2), gás de efeito estufa, e dos poluentes óxidos de nitrogênio (NOx) e material particulado (MP) emitidas na combustão foram, respectivamente, de 14%, 17% e 11% do total esperado para o ano inteiro. A referência é uma trajetória de emissões que leve, linearmente, ao cumprimento da Lei Municipal de Mudanças Climáticas (Lei 14.933 de 2009).

Em março deste ano, considerando os ônibus circulantes ou em reserva técnica, a frota total paulistana foi composta por 13.938 coletivos, sendo 84% de ônibus diesel P7 (fabricados a partir de 2012, têm sistemas mais eficazes de controle de emissões), 14% de ônibus diesel P5 (mais poluentes, fabricados antes de 2012) e 2% de Elétricos (trólebus ou a bateria, que não emitem por combustão). Em comparação, em julho de 2020 havia, respectivamente, 78%, 20% e 2% desses veículos, que totalizavam 14.016 ônibus.

Os dados da renovação da frota são estimativas do Monitor de Ônibus SP de acordo com ano de fabricação de cada veículo, por isso, podem diferir do cadastro oficial. Segundo a SPTrans, estão registrados 12.613 veículos P7 (90% da frota total); 1.107 (8%) de P5; e 201 trólebus e 17 a bateria (aproximadamente, 2% de frota não emissora).

Monitor de Ônibus SP

O Boletim do Monitor de Ônibus SP é feito com dados da ferramenta de mesmo nome, que estima as emissões do sistema de transporte por ônibus municipais da cidade de São Paulo. Essa estimativa utiliza dados de GPS transmitidos por dispositivos instalados em todos os ônibus da cidade. Idealizado e mantido pelo IEMA, o Monitor de Ônibus SP foi desenvolvido para auxiliar o acompanhamento das emissões de gases de efeito estufa (GEE) e de poluentes provenientes dos ônibus da cidade de São Paulo, buscando indicar se as emissões de todos esses ônibus estão diminuindo em um ritmo consoante ao cumprimento das metas estipuladas na Lei de Mudança do Clima do município de São Paulo.

Assim, o Monitor ajuda a verificar se as operadoras e o poder público vão conseguir reduzir pela metade as emissões de CO2 do transporte por ônibus paulistano; em 90%, as de MP; e em 80%, as de NOx até 2028, tendo como base o ano de 2016. Esses compromissos estão expressos na lei. Além disso, por meio do Monitor é possível acompanhar a evolução de indicadores de qualidade e uso do serviço prestado como velocidade média, frota total de veículos, oferta de lugares e número de passageiros. Os dados são atualizados diariamente. Dessa maneira, o IEMA espera colaborar com debates e ações em direção ao aprimoramento do sistema paulistano de transporte por ônibus. A ferramenta foi desenvolvida em parceria com a empresa de inovação Scipopulis e com a colaboração da SPTrans.

ônibus SP
ônibus SP

Fonte: Ciclo Vivo

Ainda não é Aluno? Cadastre-se aqui, e faça parte dessa Revolução.

Já é Aluno, mas ainda não se tornou Membro? Vire membro aqui, e contribua com essa Verdade. Mensalidade convertida em Téritos e conteúdo exclusivo.

Faça parte do Congresso Online e lute pelo Brasil!

Luz p’ra nós!

Portais:

www.escoldadelucifer.com.br
www.unebrasil.com.br
www.unebrasil.org
www.querovencer.unebrasil.com.br
www.congressodigital.unebrasil.com.br
www.unebrasil.wixsite.com/livrolucifer
www.unebrasil.net

Compartilhe a Verdade:


5 1 vote
Article Rating

Compartilhe a Verdade!

Entre com:





Subscribe
Notify of
5 Comentários
Most Voted
Newest Oldest
Inline Feedbacks
View all comments
Silvia Cristina Rodrigues
27/04/2021 4:10 pm

Demorou… LPN! ✨

Lucas Schwarzbold
Editor
27/04/2021 5:37 pm

Luz pra nós!

José Ricardo Dos Santos
27/04/2021 5:44 pm

Eles vão empurrando essa pandemia com a barriga, pra não aceitar que devem e sustentar o povo para poderem ficar em casa, e fazer o início do lockdown.
Luz p’ra nós.

Maria Fernanda
27/04/2021 6:25 pm

Dados alarmantes… que aumente logo pelo bem da população paulista. Luz p’ra nós!

Bruno Davi Moquiute
02/05/2021 12:38 am

Luz para nós!!

error

Seja caminho para a Verdade

5
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x
Pular para a barra de ferramentas