Profecias que se cumpriram – ao vivo

698 1024x682 - Profecias que se cumpriram - ao vivo

Compartilhe a Verdade:


Profecias que se cumpriram – ao vivo

Olá a todos. Hoje falamos sobre profecias.

Profecia é a capacidade de falar por Deus, ou em seu nome, já que serve para predizer acontecimentos futuros ou declarar a sua vontade para o presente (ver Êxodo 3:10, 14 e 15; Deut. 18:15 e 18; II Sam. 23:2; Mateus 11:9 e 10; II S. Pedro 1:21).

A profecia é o meio escolhido por Deus para comunicar-se com o homem (ver Núm. 12:6; Amós 3:7).

A Bíblia chegou aos homens por este dom (ver II Tim. 3:16; II S. Pedro 1:20 e 21).

As escrituras testificam de Jesus, e o dom de profecia é apropriadamente chamado “o testemunho de Jesus” (Apoc. 19:10; João 5:39; Apoc. 12:17).

O dom de profecia manifesta-se por meio de visões, sonhos ou inspiração especial que chega à mente (ver Núm. 12:6; Apoc. 1:1-3);

e então o instrumento humano converte-se no porta-voz de Deus (ver II Sam. 23:2; Mateus 3:3; II S. Pedro 1:21).

Deus tem o propósito de que este importante dom do Espírito estivesse com Sua igreja até o fim dos tempos (ver Joel 2:28 e 29; Apoc. 12:17; 19:10).

Na realidade, deve ser o sinal para identificar a verdadeira igreja de Deus nos últimos dias (Apoc. 12:17; 19:10).

Isto é muito razoável, porque Deus sempre tem usado este meio para revelar-se e transmitir suas mensagens ao mundo desde a queda de Adão.

Sobre a profecia em geral, registram-se os seguintes versículos:

 

 

– É predição sobre acontecimentos futuros: Gênesis 49:1; Números 24:14; Dan 2:45

– Deus é seu autor: Isaias 44:7; 45:21;

– Deus as dá, por meio de Cristo: Apocalipse 1:1;

– Um dom de Cristo: Efésios 4:11; Apocalipse 11:3;

– Um dom do Espírito Santo: I Cor. 12:10;

– Não vem por vontade de homem: II Pedro 1:21;

– Dadas desde o princípio: Lucas 1:70;

– É uma palavra certa: II Pedro 1:19;

– Deus cumpre-a: Isaias 44:26; Atos 3:18;

– Cristo, seu grande tema: Atos 3:22-24; 10:43; I Pedro 1:10-11

– Cumpridas em Cristo: Lucas 24:44;

– Seu dom prometido: Joel 2:28; Atos 2:16 e 17;

– Para o benefício de outras gerações: I Pedro 1:12;

– Uma luz em lugar escuro: I Pedro 1:19;

– Não vem de particular elucidação: II Pedro 1:20;

– Não a desprezemos: I Tessalonicenses 5:20;

– Demos-lhe ouvidos: II Pedro 1:19;

– Recebamo-lha com fé: II Coríntios 20:20; Lucas 24:25;

– Bênção de lê-la, ouví-la e observa-la: Apoc. 1:3; 22:7;

– Culpa de pretender possuir o dom de profecia: Jeremias 14:14; 23:13 e 14; Ezequiel 13:2 e 3.

 

Serão castigados os que:

 

– Não lhe derem ouvidos: Neemias 9:30

– Adicionarem ou subtraírem algo: Apoc. 22:18 e 19;

– Fingir possuir seu dom: Deut. 18:20; Jeremias 14:15 e 23:15;

– Fingir estar convertidos: Números 24:2-9; I Sam. 19:20-23; Mateus 7:22; João 11:49-51; I Cor. 13:2;

– Como deve ser testada: Deut. 13:1-3; 18:22.

 

PROFECIAS QUE JÁ SE CUMPRIRAM

 

Do cativeiro dos judeus

– Sua predição: Deut.: 28:36; I Reis 14:15; Isaias 39:7; Jeremias 13:19; 25:8 a 12; Amós 7:11; Lucas 21:24.

– Seu Cumprimento: II Reis 15:29; 17:6; 18:11; 24:14; 25:11; II Crôn. 28:5. O cativeiro durou de 606 a 538 aC.

 

Da conversão dos gentios

– Passagens em que foi profetizada: Gên. 22:18; Salmos 22:27; 86:9; Isaias 9:2; 49:6; 60:3; Daniel 7:14; Oséias 2:23; Efésios 3:6.

– Exemplos do cumprimento: Atos 2:41; 2:47; 4:4; 5:14; 6:7; 9:31; 11:1, 21 e 24; 13:12 e 48; 14:1; 15:7; 16:5 e 33-34; 17:4; 18:6 e 8; 28:28; Apoc. 11:15

 

 

Da destruição de Babilônia

– Profecias: Salmo 137:8; Isaias 13:19; 14:22; 21:9; 43:14; 47:1; 48:14; Jeremias 25:12; 50:1, 51:1; Daniel 2:37 a 39; 5:26 a 28.

– Babilônia foi conquistada pelos Medo Persas em 539 aC, sendo destruída em parte por Xerxes mais tarde, estando em completa ruína na época de 20 aC. Conforme a profecia, nunca mais foi reconstruída. A mesma profecia refere-se também à babilônia espiritual, o grande poder religioso no fim dos tempos, como se pode ver em Apoc. cap 18 e 19.

 

Da destruição de Jerusalém

– Isaias 3:1; Jeremias 9:11; 19:8; 21:10; 25:18; Amós 2:5; Miquéias 3:12; Mateus 23:37 e 38; 24:15 a 21; Lucas 19:43 e 44; 21:24.

– Jerusalém foi destruída em 70 dC.

 

O grande período profético dos 2.300 anos de 457 aC a 1844.

Foi profetizado através de Daniel, que haveria um período de 2.300 anos, que se iniciaria no ano 457 aC, com o decreto da reconstrução de Jerusalém (Dan. 9:25) e concluiria com o início do juízo investigativo no céu, em 1844. Dan 8:14. Este grande período divide-se em sub-períodos.

Primeiro sub-período, de 490 anos, que se inicia em 457 aC e termina em 34 da nossa era. Foi destinado ao povo judeu para que aceitasse a Jesus Cristo (Atos 8:1 a 3 e 26:9 a 12),

que como se sabe, com a apedrejamento de Estevão, em 34, rejeitaram de vez o evangelho. Nesse ano inicia-se outro sub-período de 1810 anos, até 1844, de pregação do evangelho aos gentios (não judeus) (Atos 13:46 e Dan 8:14).

O primeiro sub-período divide-se em outros períodos menores, como, os 49 anos, de 457 aC até 408 aC, para a reconstrução dos muros de Jerusalém (Esdras 6:14; 7:6-26; Dan 9:25. Mais outros 434 anos se passaram até a unção de Jesus Cristo (Dan 9:25 e 26), até o ano 34.

Para o final deste último período, Daniel profetizou um pequeno período de uma semana profética, 7 anos literais, do ano 27 a 34 dC. No ano 27 Jesus foi ungido (S. Mateus 3:13, 17 e Atos 10:38. Na metade da semana, foi crucificado, em 31, (Dan 9:26,27) e no ano 34 Estevão foi apedrejado (Atos 7:59-60; 6:8-15 e 8:1).

 

 

O terceiro sub-período, que se cumpriu fielmente, durou 1260 anos de perseguição aos que seguiam a Bíblia integralmente (Apoc. 11:2 e 3; 12:6 e 14; 13:5, e Dan. 7:25 e 12:7; Dan 9:22 – 27), que durou de 538, com o estabelecimento firme do papado, até 1798, com a deposição do Papa Pio VI pelo general francês Berthier, em 10/02/1798 – através de Lucifer em Napoleão.

Nesta data iniciou-se o tempo de fim (Dan. 12:9 e 4).

1799 Napoleão tornou-se cônsul e 5 anos depois imperador. Alterou drasticamente o mundo com o Código Napoleônico que virou a Constituição Nacional igualando as classes em direitos. Esta foi a primeira das três fases de Orion em três Reis finais.

Nesta data também terminou a grande perseguição (fogueiras, inquisição, arena de leões, gladiadores, leis dominicais, união da igreja com o estado, etc.) O que aconteceu durante os 1260 anos denomina-se o período da idade escura da humanidade, onde os maiores horrores aconteceram e que degradou espiritualmente o mundo, levando a desconfiança sobre a verdadeira intenção dos religiosos. Foram denominados “ópio do povo”, por líderes que não conheciam o verdadeiro evangelho.

Este grande período de Daniel 8:14 pode ser melhor estudado num diagrama preparado para tal fim, disponível aos que o desejarem:

Em síntese, as profecias de Daniel envolvem 16 cenários futuros:

1) Babilônia perderia a hegemonia

2) Seria substituída pela Medo-Pérsia

3) Este reino seria inferior em glória e riqueza à Babilônia, e assim sucessivamente, cada reino inferior ao seu precedente

4) A Medo-Pérsia seria substituída pela Grécia

5) A Grécia seria substituída por Roma

6) Roma seria dividida em 10 reinos

7) Roma seria forte e fraca ao mesmo tempo

8) Haveria tentativas de implantar um reino mundial

9) Haveria alianças com semente humana

10) Estas tentativas de união não atingiriam seu objetivo

11) A figura apoteótica de Cristo sobre as nações

12) Sua segunda vinda – pedra cortada sem mãos

13) A pedra abarcaria o mundo todo

14) Não haveria mais impérios locais

15) Desmoronamento total da babilônia e de suas riquezas

16) Implantação do Reino de CRISTO

 

Pelo cálculo da probabilidade, as profecias de Daniel tem apenas uma possibilidade em 437.893.890.380.859.375 tentativas para dar certo integralmente, nessa ordem. Só DEUS conhece o fim desde o princípio.

 

– A grande profecia de Daniel 2:31-45, sobre a estátua que representa os reinos desde o império babilônico até os últimos dias. Todos os versículos referem-se a Daniel cap. 2.

– Cabeça de ouro (32, 37 e 38): Reino babilônico – de 606 a 538 aC;

– Peito de prata (32 e 39): Medo-Pércia – de 538 a 331 aC;

– Ventre e coxas de bronze (32 e 39): Grécia – de 331 a 168 aC;

– Pernas de ferro (33 e 40): Roma – de 168 aC a 476 dC;

– Pés em barro e ferro: Divisão o reino de Roma em dez reinos, que jamais formariam um império mundial;

– Não haverá mais império mundial: (43) – houveram casamentos entre nobres na Europa, porém não mais uniram-se os reinos divididos;

– A pedra que destruiu a estátua: (44 e 45) – é a profecia da segunda vinda de Jesus a este mundo.

– A grande profecia de Daniel 7 – os 4 animais. Todos os capítulos e versículos referem-se ao livro de Daniel.

– Leão com asas de águia (7:4): Reino da Babilônia, de 606 a 538 aC;

– Urso, que trazia entre os dentes três costelas (7:5): Império Medo-Persa, de 538 a 331. As três costelas simbolizam os principais poderes deste reino, ou seja, a Lídia, Babilônia e Egito.

– Leopardo, com quatro asas e quatro cabeças (7:6): Império grego de Alexandre o Grande, de 331 a 163. As quatro asas significam um reino muito veloz, como realmente foi, conquistou o mundo em menos de uma década, um feito sem precedentes. As quatro cabeças representam os quatro reinos em que se dividiu este império em 301 aC, que foram dominados por Ptolomeu, Cassandro, Seleuco e Lisímaco.

– Animal terrível e espantoso (Daniel não comparou com animais conhecidos), forte, com dentes de ferro e dez chifres e mais um chifre pequeno (7:7 e 8): Trata-se do império romano, de 168 aC a 476 dC. Os dentes de ferro representam a força destruidora deste reino; os dez chifres representam dez reinos bárbaros que sucederam Roma, ou seja os Ostrogodos, Visigodos, Francos, Vândalos, Suevos, Alamanos, Anglo-saxões, Hérulos, Lombardos e Burgúndios. O chifre pequeno representa Roma Papal, pequena no início mas que cresceu e superou os demais em poder.

 

 

Profecias relacionadas ao capítulo 7 de Daniel:

– O animal foi morto (v. 11) refere-se a destruição de poder romano por ocasião da segunda vinda de Cristo, ainda a ocorrer;

– Foi tirado o domínio dos outros animais anteriores (v. 12) refere-se aos reinos anteriores que perderam o poder, porém seus habitantes não foram exterminados, como será no caso do quarto animal, quando da segunda vinda de Cristo;

– Segunda vinda de cristo (v.13 e 14), refere-se a retorno de Cristo, ainda a ocorrer;

– O capítulo 7 de Daniel contém outras profecias que são detalhes da grande profecia acima mencionada. Estas profecias foram omitidas aqui para não tornar a relação profética muito extensa.

A grande profecia de Daniel capítulo 8, especificamente sobre os tempos finais. Em síntese, os elementos da profecia são:

– Um carneiro com dois chifres (reis da Média e da Pérsia);

– Surgiu um bode com um chifre notável entre os olhos (A Grécia, e o chifre, o seu primeiro rei) e destruiu o reino Medo-Persa;

– O chifre notável foi quebrado e em seu lugar vieram quatro chifres, significando os quatro reis que sucederam a Alexandre o Grande, com força inferior;

– De um dos quatro chifres saiu um chifre pequeno, que se tornou muito forte, para o oriente e para a terra gloriosa, cresceu até os céus (…) engrandeceu-se etc. Refere-se a Roma como império e a Roma papal, esta tornando-se um poder mundial, muito forte no período da Idade Média, perseguindo os cristãos que queriam obedecer fielmente os princípios bíblicos. Roma papal havia gradativamente alterado estes princípios, dando cumprimento à profecia. Há muitos detalhes a mais nesta profecia que merecem melhor atenção, em estudo particular.

– A profecia das sete igrejas, que se refere a história da igreja de Deus antecipadamente descrita. Apocalipse cap. 2 e 3.

Esta profecia encontra-se em Apocalipse capítulo 2 e 3. Apresentamos apenas as informações mais importantes a respeito. Esta profecia pode ser melhor estudada em diagrama que está disponível aos interessados.

– Primeira igreja: Éfeso, de 34 a 100 – Boas obras;

– Segunda igreja: Esmirna, de 100 a 313 – Igreja perseguida;

– Terceira igreja: Pérgamo, de 313 a 538 – Igreja popularizada;

– Quarta igreja: Tiatira, de 538 a 1517 – Igreja deturpada;

– Quinta igreja: Sardes, de 1517 a 1833 – Reforma espiritual;

– Sexta Igreja: Filadélfia, de 1833 a 1844 Igreja missionária;

– Sétima igreja: Laodicéia, de 1844 até o fim – Igreja morna.

 

– A profecia dos sete selos, que se refere à natureza da luta em que se envolvem as respectivas igrejas.

Esta profecia encontra-se em Apocalipse capítulo 6. Como a anterior, serão apresentadas apenas informações importantes. Também pode ser melhor estudado no diagrama acima mencionado.

– Primeiro selo – cavalo branco: de 34 a 100 – pureza;

– Segundo selo – cavalo vermelho: de 100 a 313 – perseguição;

– Terceiro selo – cavalo preto: de 313 a 538 – apostasia;

– Quarto selo – cavalo amarelo: de 538 a 1517 – trevas espirituais;

– Quinto selo – reforma espiritual: de 1517 a 1755 – almas em baixo do altar;

– Sexto selo – mensagem do advento: de 1755 a … – sinais do fim;

– Sétimo selo Apoc 8:1 – é a segunda vinda de Jesus Cristo, que não se cumpriu ainda, como sabemos.

 

As sete trombetas, que se refere as guerras de natureza política mas com conseqüências no mundo religioso. Igualmente apenas faremos referência. Pode ser estudado em diagrama. Apoc. 8: 6-13; 9:1-21; 10:15-19.

– Primeira trombeta: Invasão da Europa pelos Godos comandados por Alarico (Apoc. 8:6-7), com destruição de Roma.

– Segunda trombeta: Invasão pelos Vândalos de Genserico, vindo pelo mar e destruindo Roma em 455, saquendo-a por 14 dias e posterior destruição da esquadra naval com morte de 1/3 do exército romano, cerca de 30.000 soldados.

– Terceira trombeta: Invasão pelos Hunos de Átila, que em 452, na batalha às margens do Marne, eliminou 150.000 soldados romanos.

– Quarta trombeta: Invasão dos Érulos de Odoacro, que destruiu definitivamente o Império Romano Ocidental, em 476, sendo deposto Rômulo, o último dos Césares.

– Quinta trombeta: Período de muitas guerras, onde se distinguiram as conquistas dos Sarracenos, Maomé e os Otomanos, e que culminou com a Queda de Constantinopla, em 1453, e o fim do Império Romano Oriental. Terminou de todo o império romano.

– Sexta trombeta: Foi o período de supremacia turca e árabe, e que terminou em 11 de agosto de 1840 com o fim da supremacia turca e a queda do império otomano.

– Sétima trombeta, está em vigor, com nações iradas e preparo para o fim do mundo e segunda volta de Cristo.

– O escurecimento do Sol e da Lua e a chuva de meteoritos

Marcos 13:24 e 25; Isaias 13:10; Ezequiel 32:7; Joel 2:10; 11 e 30 a 32; Apoc 6;12 a 14; Lucas 21:25. Dizem que isto se cumpriu, quanto em 19/05/1780 ocorreu o escurecimento do Sol e a noite a Lua ficou como saco de silício, e em 13/11/1833 ocorreu a chuva de meteoritos, na América do Norte, mas teremos exemplos maiores.

 

– O movimento religioso do séc. XIX, previsto no cap. 10 de Apocalipse.

 

– As duas testemunhas (velho e novo testamentos) oprimidas pelo papado, Apoc. 11:3-6.

 

– As duas testemunhas mortas pela França, Apoc. 11:7-14.

 

As profecias de Apocalipse 12

Apenas apresentamos os tópicos mais relevantes. – AMANHÃ CONTINUO

– A vitória de Cristo contra Satanás na Terra, (v. 1-5).

– A Igreja no deserto perseguida pelo papado, (v. 6-15).

– A reforma do séc. XVI (v. 16).

– Dragão vermelho (v. 3 – 4): representa o Império Romano e Satanás;

– tinha 7 cabeças (3 – 4): os fortes poderes romanos;

– dez chifres (3 – 4): divisão do império romano em 10 reinos, formando a Europa;

– cauda de dragão (3 – 4): representa a força do poder romano;

– parou diante da mulher (3 – 4): representa Herodes que quis matar Jesus;

– deu luz a um filho (5): Maria gerou a Jesus;

– a mulher fugiu para o deserto (6): Maria, com José, fugiram para o Egito escapando de Herodes;

– outra vez a mulher foi sustentada no deserto, por 1 tempo (1 ano profético), tempos (2 anos proféticos) e metade de um tempo (meio ano profético) perfazendo 1260 anos literais: Trata-se da grande perseguição que a Igreja católica empreendeu contra os seguidores da Bíblia, por 1260 anos, Idade Média, de 538 a 1798.

 

 

Em 538, o Edito de Justiniano punia com pena de morte aos que não obedecessem ao Bispo de Roma. Neste ano (538) foi estabelecido o Papa em Roma. Durante o Séc. V, aplica-se com todo o rigor a guarda do Domingo, até então muitos católicos ainda observavam o Sábado.

Em 787, o Concílio de Nicéia estabelece o culto às imagens. Em 800, a lei dominical de Carlos Magno proíbe trabalho no Domingo. Em 1229 estabeleceu-se o tribunal da inquisição, que durou 500 anos.

No Séc XII surgem os reformadores, movimento que culminou com o Protesto de Spira em 19/04/1529 e com a pregação das 95 teses de Lutero, em 31/10/1517, contra Roma.

Em 1773, ocorreu o fim da grande perseguição (aqueles dias foram abreviados) e em 1798 cai o Papa pela espada de Napoleão.

– O dragão irou-se (outra vez) contra a mulher (igreja) (17): novamente, no fim da história, a igreja do Papa promoverá perseguição aos que guardam a Bíblia.

Amanhã daremos sequência as profecias futuras do Apocalipse.

Isto é, se vocês ajudarem no merchhhh!

Luz p’ra nós

13
Deixe um comentário

Please Login to comment

Entre com:




12 Comment threads
1 Thread replies
1 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
13 Comment authors
FabianaElielton MarianoRafael Isaac FranchiniThiago SilvaDouglas Ceron Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Miryam Yoshiko

Uma grande aula , todas essas dignas de uma palestra ou workshop como de grandes empreendedores. Mas sei que o intuito aqui é outro, e nobre. No entanto pode chegar um dia onde tudo isso se plasmará em justiça. A simetria sabe. Ouvirei novamente para desdobrar mais e mais ! Luz pra nós !

Membro

Mestre, não há palavras que consigam expressar nossa gratidão! É uma felicidade sem igual poder contemplar e se sentir parte de tudo isso. Ouvi-lo é sempre muito inspirador e revigorante. Graças damos a Deus por tamanha misericórdia. Eu estou simplesmente amando rever os escritos bíblicos a partir do próprio verbo vivo. Rendemos graças! Luz pra nós!

Jucemar Mello
Membro
Jucemar Mello

Perdi o podcast hoje mas ouvi agora, perfeito! Uma coisa que entendo é a questão de buscar o conhecimento onde a maioria acha que deve se enterrar em estudos para entender a verdade, onde só devemos deixar fluir por ela já estar no nosso ser. Buscar antes de qualquer coisa se auto compreender. Chegará o momento em que vai passar o efeito da dose anestésica que cada um tomou em convergiremos todos novamente para a verdade absoluta e inegável.

Márcio Henrique Brito Vieira
Membro
Márcio Henrique Brito Vieira

Sábias palavras

Arthur Luighe
Membro
Arthur Luighe

Enriquecedor 🙏

Ariel dos Santos
Membro
Ariel dos Santos

A misericórdia de Deus é algo tão magnifico

Douglas Mendes
Membro
Douglas Mendes

Top

Anna Laura
Membro
Anna Laura

Perfeito! Luz pra nós!

Douglas Ceron
Editor

NAda como deixar o podcast do mestre rodando ao chegar em casa para revigorar as energias e suprir aquela necessidade de aprender a cada dia mais sobre tudo que faz parte de nosso ser e existência. Coisas que o teatro atual ai fora não mostra para ninguém, aqui não apenas encontramos, mas podemos sentir fluir toda a verdade dentro de cada um de nós, mesmo sendo um novato ou um membro avançado. Basta nos permitirmos que os pacotes dados pelo mestre irão avançar naturalmente dentro de cada um e a verdade nos mostrará o seu caminho e a quem realmente… Read more »

Thiago Silva
Membro

É nóis, mestre… muita luz! Obrigado por nos iluminar!

Rafael Isaac Franchini
Membro
Rafael Isaac Franchini

1/13 – Alpha e ômega , o violeta fecha as cores, posiciona as 12 perspectivas justas e consequentemente todos os degradês .
Nenhuma pergunta ficará sem resposta disso eu tenho certeza!
Luz p’ra nós!

Elielton Mariano
Membro
Elielton Mariano

Muita sabedoria em suas palavras Mestre!

Fabiana
Membro
Fabiana

Não tinha ouvido ainda este podcast !! Gratidão eterna !! Luz pra nós