Senado aprova novo marco do saneamento básico que privatiza água do Brasil

Compartilhe a Verdade!

Compartilhe a Verdade:


 

De PODER 360

 

A única bancada a votar totalmente contra foi a do Partido dos Trabalhadores (PT).

 

 

 

O Senado aprovou nesta 5ª feira (25.jun.2020) o novo Marco do Saneamento Básico, por 65 votos a 13. Vai agora à sanção presidencial. Aprovado ainda em 2019 pela Câmara dos Deputados, o projeto tem por objetivo universalizar o acesso ao serviço e facilita a entrada de investimento privado no setor.

 

Para evitar que o texto voltasse à Câmara, o relator da proposta, Tasso Jereissati (PSDB-CE), manteve a redação dada pelos deputados. As empresas teriam até 2033 (ou 2040, em casos excepcionais) para levar água potável a 99% da população e rede esgoto a 90%. O governo estima que isso poderá injetar na economia até R$ 753 bilhões.

 

O projeto de lei (PL 4.162/2019), que estabelece o Novo Marco do Saneamento, muda as regras para a prestação de serviços de saneamento, facilitando a entrada de empresas privadas neste mercado. Eis 1 resumo da proposta.

 

Segundo os defensores das novas regras, a abertura do setor à iniciativa privada e as alterações no marco legal existente permitirão a universalização do acesso à água potável e rede de esgoto até o prazo estipulado.

 

De acordo com os dados mais recentes, do SNIS (Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento), 34 milhões de brasileiros não acesso à água tratada e 100 milhões não têm seu esgoto coletado. O dado é de 2018, o mais recente disponível. Para fazer frente a isso, Tasso afirma que serão necessários de R$ 500 bilhões a R$ 700 bilhões em investimentos.

 

A principal novidade é a obrigatoriedade da abertura de licitação quando os Estados e municípios, responsáveis pelos serviços, contratarem serviços de saneamento. O processo deve ter a participação de empresas públicas e privadas. Atualmente, 94% das cidades são atendidas por estatais e apenas 6% por empresas privadas.

 

Os contratos de programa, que atualmente são fechados sem licitação somente com as empresas estatais, poderão ser renovados até março de 2022 por até 30 anos. A partir de 2022, municípios e Estados sem contratos em vigor serão obrigados a abrir concorrência com empresas interessadas em prestar esses serviços. (…)

 

 

CONTINUA EM PODER 360

 

Análise do Tema

Compartilhe a Verdade:


5 1 vote
Article Rating

Compartilhe a Verdade!

Victor Hugo B. de Melo

Entre com:




Subscribe
Notify of
14 Comentários
Most Voted
Newest Oldest
Inline Feedbacks
View all comments
MariaFe
25/06/2020 6:56 pm

Luz p’ra nós!

MariaFe
25/06/2020 7:08 pm

Boa matéria e vídeo! Gosto dessas análises políticas!

Rayana
25/06/2020 8:05 pm

Luz pra nós!

Admin bar avatar
25/06/2020 10:41 am

Lux Heil!

Admin bar avatar
25/06/2020 10:46 am

O reino está sendo plasmado.

Tatta Amanda
25/06/2020 12:16 pm

Luz p’ra nós.

Luiz Cláudio
25/06/2020 1:25 pm

Luz p’ra nós!

Márcio Henrique
25/06/2020 3:04 pm

Falou e disse meu bom!! Luz pra nós!

Admin bar avatar
25/06/2020 8:49 pm

Luz p’ra nós!

Jonathan Muniz
Editor
25/06/2020 9:45 pm

Luz p’ra nós!

Gustavo Borba
25/06/2020 10:17 pm

Luz p’ra nós!

Camila Ribeiro
26/06/2020 10:18 am

Luz pra nós!

José
26/06/2020 4:31 pm

Luz pra nós

Pedro Silveira Goulart Cassiano
28/06/2020 4:15 am

Valeu ,luz pra nós!

Next Post

Seasteading: futuro da humanidade ou refúgio dos bilionários?

qui jun 25 , 2020
Compartilhe a Verdade!Compartilhe a Verdade: A expressão é um neologismo com as palavras em inglês “sea” (“oceano”) e “homesteading” (“estilo de vida autossuficiente”), um conceito que indica a criação de habitações permanentes no mar, chamadas de “seasteads”, fora dos territórios reivindicados pelos governos de qualquer nação estabelecida. Ou seja, é […]

Siga-nos os bons

Ative o Sininho

Clique Aqui

Quem está online

Gustavo Borba

Você:

Teus Téritos bônus

0 Téritos
error

Seja caminho para a Verdade

14
0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x
Pular para a barra de ferramentas